Carnivalization

parceria fotográfica

Eduardo Almeida | Stefano Aguiar

De acordo com o dicionário moderno Oxford, “carnivalization”, em inglês, significa a “influência subversiva e libertadora do humor popular sobre a tradição literária”. No Rio, tanto tradições folclóricas centenárias quanto histórias modernas ganham vida nas multidões a beber e dançar e gargalhar pelas ruas.

O “Grito de Carnaval” ecoa por todo o país e toma as ruas de assalto. Máscaras cobrem os rostos e descobrem os desejos. Homens se transformam em mulheres, mulheres se transformam em deusas, ou heroínas, ou monstros, e todos, de uma forma ou de outra, se divertem na grande folia. Em todo canto os tambores marcam o ritmo tribal, massivo, que une todas as pessoas.

O Carnaval brasileiro tem seu próprio cheiro. É suor, sal e urina. O ar úmido e quente dos trópicos. Nenhuma outra esta no mundo é tão grande e tão extensa. Durante seis dias o Rio de Janeiro fica tomado. As ruas se tornam o lar dos felizes.

Nossa missão, enquanto fotógrafos, é apenas estar lá. O resto é “carnivalização”.